Claudia Aires

5 Perguntas

Nos muros das cidades

Criada em 2011, a Nuvem movimentou o mercado artístico do Nordeste ao focar o seu trabalho na street art. Claudia Aires, fundadora e sócia da produtora cultural, fala sobre o cenário da arte urbana hoje no Brasil

POR FELIPE SEFFRIN

ra 2010 quando, após um período atuando como produtores musicais, os pernambuca-nos Claudia Aires e Guga Marques decidiram se aventurar no mundo das artes visuais, principalmente da chamada street art. Com a proposta de atuar basicamente on-line – novidade para a época –, um ano depois a produtora Nuvem foi lançada para divulgar e agenciar artistas locais e vender as suas obras. Ousada, a ideia deu certo e movimentou o mercado artístico de Recife.

Hoje, com 60 artistas parceiros, principalmente do Nordeste, a Nuvem é referência quando se trata de street art e luta para acabar com o preconceito que ronda a vertente, incentivando a exposição de obras em espaços públicos, pri-vados e em grandes galerias. “O Brasil está bastante atrasado em comparação a  países como Portugal, Holanda, Alemanha e Inglaterra. Nesses lugares, há locais mapeados e regular-mente pintados. São as chamadas ‘galerias a céu aberto’, que movimentam tanto o turismo local quanto o internacional”, explica a publicitária Claudia. Aqui, ela fala sobre o início da produtora, o preconceito sofrido pelos artistas urbanos e as principais atuações da Nuvem hoje.

Grafite do artista da Nuvem: Bozó Bacamarte

Grafite do artista da Nuvem:  jotaZerOff

1.Como surgiu a ideia da Nuvem?

Foi em 2010, quando eu e o meu então futuro sócio, Guga Marques, trabalhávamos com produção musical e não estávamos mais satisfeitos com os rumos da profissão. Tínhamos a ideia de abrir algum negócio novo, também na área de produção, mas que não envolvesse música e afins. Após alguns meses de brainstorm, muita discussão e pesquisa, chegamos a um denominador comum: a arte. Já tínhamos alguma afinidade com esse universo, pois eu sou publicitária e ele é arquiteto. A partir da ideia montada, vendemos um carro e fomos atrás do nosso sonho, que virou realidade em 2011.

2.Como você vê o cenário da arte de rua atualmente?

Em termos de Nordeste, o cenário é bastante dinâmico e produtivo. Já temos um mercado mais sólido e os artistas conseguem sobreviver do seu trabalho. Temos nomes da região com destaque em todo o País, como Acidum Project (CE), Bozó Bacamarte (PE), Derlon (PE), Shiko (PB) e Naldo Saori (MA). Mas o Brasil está bastante atrasado em comparação a países como Portugal, Holanda, Alemanha e Inglaterra. Lá o próprio poder público entendeu que esse tipo de arte, além de embelezar e requalificar áreas da cidade antes degradadas, fomenta um novo nicho de mercado: o turismo de arte urbana

3.Por que existe preconceito em relação a esse tipo de arte?

O preconceito vem mais do lugar onde os artistas trabalham: a rua.Para algumas pessoas, apenas uma obra exposta em uma galeria ou um espaço tradicional tem o selo de “arte”. Há também um elemento classista nesse preconceito, pois a maioria dos artistas urbanos, tanto do grafite quanto do “pixo”, vem da periferia das cidades. A cultura e o jeito de falar e se vestir gera certo receio entre os mais desinformados. Mas recentemente tivemos uma conquista histórica. A convite da Prefeitura de Recife e do arquiteto Carlos Augusto Lira, cinco artistas agenciados pela Nuvem criaram grandes painéis em espaços da cidade, que serviram de base para toda a decoração do carnaval.

4.Como vocês pesquisam e encontram novos artistas?

A curadoria da Nuvem sempre foi feita por mim e Guga. Garimpamos muito pela internet, em festivais, ouvimos dicas de artistas amigos e recebemos vários portfólios por e-mail. No nosso portal, existe um cadastro gratuito de artistas e sempre aparecem boas surpresas por lá. De vez em quando fazemos chamadas públicas a partir de nossas redes sociais para conhecermos novos trabalhos.

5.Hoje, qual é a principal atuação da Nuvem?

Atuamos basicamente na divulgação de artistas, projetos e ações por meio de nosso portal, no agenciamento artístico, na comercialização de obras para todo o País em nossa loja virtual, a Nuvem Store, e na criação de projetos culturais voltados para a arte.

portalnuvem.art.br

voltar-para-o-sumario