Reportagem

Fina flor

Pequenos empreendedores apostam em serviços criativos e inovam o conceito tradicional de floricultura

POR GIOVANNA FORCIONI

Buquê de rosas vermelhas é coisa do passado. Nas floriculturas modernas a moda é apostar em espécies e combinações que fujam do óbvio e tragam a sensação de jardim de casa de avó. De suculentas a astromélias, o que importa é a originalidade dos produtos — sem deixar de lado um atendimento exclusivo e personalizado.Arranjos exóticos, assinaturas semanais e lojas itinerantes são algumas das estratégias de pequenos empreendedores que nos últimos anos vêm se empenhando em levar mais verde para as grandes cidades. O objetivo? Resgatar o hábito de comprar plantas, mesmo que não haja uma ocasião especial para isso. “Para nós que vivemos sem tempo, esse modelo de negócio é muito atual. Depois de passar o dia no trânsito, por exemplo, não tem nada melhor do que chegar do trabalho e encontrar flores esperando por você”, afirma Ana Attab, da flowershop carioca Varanda. Confira a seguir algumas floriculturas que fogem dos padrões e têm a criatividade como marca registrada.

Varanda

 RIO DE JANEIRO // RJ 

A floricultura de Ana Attab funciona sobre duas rodas. Formada em psicologia, a paulistana decidiu apostar na carreira de florista depois de um curso de design floral em Holambra (SP). Desde então coloca os buquês na cestinha e sai pedalando pela Zona Sul carioca para fazer as entregas. “Atender os clientes em casa é sempre muito agradável. A relação que eles criam com a proposta é incrível, pois descobrem espécies, aromas e texturas que não imaginavam.” A inspiração para usar a bike veio do estilo de vida que adotou ao chegar ao Rio. “A bicicleta e a vida nas ruas é algo bem característico da cidade e é assim que me desloco.” No programa de delivery, a cada semana o cliente opta por receber um buquê fresco ou ter um arranjo montado diretamente no vaso de sua casa.

Arranjos avulsos de R$ 15 a R$ 180; assinatura mensal, a partir de R$ 160

21 3173 8644 / varandaflores.com

Acorda, Margarida!

 SÃO PAULO // SP 

Fazer buquês exclusivos e autorais é a proposta do arquiteto Fernando Gimenez, que, desde novembro de 2015, está à frente da flowershop. A marca, que surgiu de uma conversa informal entre amigos, tem uma curadoria livre e de momento: as flores e folhagens usadas nos arranjos são escolhidas com base nas plantas da estação e no que há de mais fresco nas feiras. “Nossa proposta é diferente porque é uma surpresa para todos, até mesmo para mim. Nunca sei o que vou encontrar e o cliente também não sabe o que vai receber. É algo que instiga. As pessoas costumam ficar bem contentes com o resultado final”, explica Fernando. Além dos ramalhetes avulsos, a marca ainda trabalha com sistema de assinaturas e participa de pequenos eventos.

Arranjos avulsos de R$ 85 a R$ 180; assinatura mensal, a partir de R$ 320

11 98077 5268 / acordamargarida.com.br

Florista viajante

 CURITIBA // PR 

Há dois anos, o Dia dos Namorados marcou uma nova fase na vida da designer Cristiana Prante. Insatisfeita com os rumos que sua carreira estava tomando, a curitibana arriscou começar o próprio negócio. Mas, sem dinheiro para abrir uma loja física, precisou ser criativa. Juntou a paixão por flores e plantas ao xodó da família, um Fusca verde, ano 1970, que sua mãe ganhou do marido quando ficou grávida de Cristiana. O carro transformou-se em uma floricultura móvel, que vende arranjos e vasos em eventos particulares e corporativos. Mas os serviços prestados não param por aí. Também são oferecidos buquês de noiva, um plano de delivery floral e até mesmo decoração para festas.

Arranjos avulsos de R$ 45 a R$ 300

41 99924 3641 / floristaviajante.com.br

O meu jardim

 RECIFE // PE 

Foram os vídeos caseiros publicados pelo jornalista André Amorim que deram o pontapé inicial no negócio da família. Nas gravações, sua mãe, a publicitária Cláudia Araújo, aparecia dando dicas de jardinagem. As encomendas foram surgindo e os dois decidiram vender cactos e suculentas em uma feira orgânica. A aposta deu tão certo que, em outubro de 2015, reformaram uma kombi e investiram em uma loja móvel. “Nossa inspiração veio da ideia dos food trucks”, conta Cláudia. Desde então, a van ano 1994 – carinhosamente apelidada de Doralice – é atração nas ruas do Recife. Vendendo orquídeas, suculentas e vasinhos de flor, ela estaciona na Praça de Casa Forte, de quinta a sábado, e na Praça Eça de Queiroz, na Zona Oeste da cidade, aos domingos.

Plantas e acessórios, de R$ 12 a R$ 70

81 99984 5933 / facebook.com/omeujardim.br

FLO Atelier Botânico

 SÃO PAULO // SP 

No espaço localizado na Vila Madalena, os próprios donos põem a mão na massa e cuidam de cada pedido pessoalmente. À frente do negócio ao lado do sócio e marido Antonio Jotta, a designer Carolina Nóbrega conta o porquê de classificar o projeto como um ateliê botânico: “As flores são apenas uma parte do nosso trabalho. Gostamos de dizer que somos uma ‘loja de história natural’, porque valorizamos muito tudo o que vem da terra, desde suculentas até cristais”. Ainda que a preferência seja por espécies exóticas, como as proteas sul-africanas, todas as plantas e flores vendidas ali são de produtores nacionais. No cardápio de serviços também constam workshops sobre assuntos variados, que vão desde como montar um terrário a como fazer arranjos de plantas aéreas, conhecidos como kokedamas.

Workshops, de R$ 389 a R$ 489

11 2589 6116 / atelierbotanico.com

voltar-para-o-sumario