Gastronomia

Pasta à brasileira

Receitas marcadas pela criatividade e pelo frescor dos ingredientes brilham no cardápio do Massa, segundo restaurante carioca
do chef empreendedor Pedro Siqueira

POR BRUNA TIUSSU

edro Siqueira faz o tipo inquieto. Quando ainda celebrava os primeiros meses de sucesso do Puro, restaurante aberto em março de 2015, no Jardim Botânico, o jovem chef, de 38 anos, enxergou um nicho
na cena gastronômica do Rio de Janeiro. A crescente demanda — e elogios — pela única pasta do cardápio, o pastellini recheado com ricota de búfala, minitomates doces, castanhas e manjericão, mostrou-lhe uma real necessidade dos cariocas: uma boa casa de massas. Pois ali estava ele, pronto para suprir essa carência.
Foi necessário um ano de obras para que o ponto da Rua Dias Ferreira, em pleno burburinho do Leblon, se transformasse no Massa — sim, Pedro gosta de nomes diretos —, inaugurado em agosto de 2016. A primeira atração da casa está ao alcance dos olhos de quem sobe sua pequena escada: a fábrica de massas instalada no mezanino, com grandes janelas que deixam a produção de pastas e pães à vista. “Eu só topei esse ponto por ter espaço suficiente para a massaria. Ela é a essência do restaurante”, afirma o chef.
A segunda atração é o menu em si. As receitas seguem o mesmo princípio do Puro, de priorizar ingre- dientes frescos, fornecidos por produtores da região. “Nossa essência é utilizar o que há de melhor ao nosso redor. Alimentar a cadeia, focar na sustentabilidade”, diz Pedro. Tal premissa, somada à sua bagagem técnica e afetiva — o paulista, filho de gaúchos, já passou pelo D.O.M., em São Paulo, pelo parisiense Taillevent e pelo carioca Fasano Al Mare —, resulta em pratos com um surpreendente toque brasileiro. O que distancia definitivamente a proposta do restaurante de casas de massas clássicas.

O êxito do conceito é comprovado pelos carros-chefes: o polvo crocante com nhoque de espinafre e molho bolonhesa de porco (R$ 79), o gôndole recheado com pera e maçã, molho de gorgonzola e crocante de castanha-do-brasil (R$ 65) ,o filé de costela com espaguete ao creme de queijo e pimenta (R$ 78) e o pastellini de ricota (R$ 65), importado do cardápio do Puro.
Entradas e sobremesas também exaltam a criatividade da cozinha. O carpaccio de pastrami wagyu com fidelini ao pesto, queijo curado e brotos (R$ 35) e o ovo benedito caipira, com barriga de porco defumada e molho cremoso chimichurri (R$ 28) são os mais pedidos para começar, enquanto o tiramisu rústico (R$ 26) e o falso cannoli, uma releitura da tradicional
receita recheada com chocolate, ricota doce, favo de mel e castanhas (R$ 22), fazem sucesso entre os doces.
Apesar do pouco tempo do Massa, Pedro já tem uma lista de ideias para deixá-lo ainda mais movimentado. Enquanto pensa num tempurá de mariscos para incluir no cardápio, adequa a produção de pães para oferecer três variedades a quem deseja comprá-los e começa a tirar do papel o projeto de uma feira de produtores. Em alguns sábados, fornecedores da região vão expor e vender seus ingredientes na varanda do restaurante, que servirá café da manhã. Os clientes poderão começar o dia num ambiente aconchegante e com uma dupla brasileiríssima à mesa: café e pão na chapa.

MASSA

R. Dias Ferreira, 617 , Leblon, Rio de Janeiro

21 3985.8191

ONDE COMER

POR PEDRO SIQUEIRA

1 Soy

Sinto-me em casa no restaurante do chef nissei Carlos Ohata que utiliza ingredientes frescos e saborosos.

Rua Santa Clara, 33, Copacabana, 21 2235.4000

2 T.T. Burger

Thomas Tsroisgros conseguiu fazer um produto com alta qualidade e
diferenciais, como o pão de batata e o picles de chuchu crocante.

Av. Ataulfo de Paiva, 1240, Leblon 21 96458 8678

3 Azur

Aberto em janeiro, o quiosque de praia de Pedro Artagão tem ambiente agradável e comida bem feita.

Av. Delfim Moreira, s/nº, Leblon

voltar-para-o-sumario