Castelinho Caracol, uma das primeiras residências de Canela, hoje um museu

Gramado e Canela

Muito além do inverno

POR WILLIANS BARROS

FOTOS MARCELO CURIA

PRINCIPAIS DESTINOS TURÍSTICOS GAÚCHOS, GRAMADO E CANELA ATRAEM VISITANTES COM SUA PAISAGEM EUROPEIA, EVENTOS CULTURAIS, COMO O FESTIVAL DE CINEMA, E ATRAÇÕES PARA A FAMÍLIA DURANTE O ANO INTEIRO

Sim, Gramado é tudo o que a gente imagina: aquele lugar de sonho, com paisagens europeias, fondues fumegantes, vinhozinho à meia-luz, lareira crepitante e um edredom fofinho. Mas seria um desperdício idealizá-la somente como destino de inverno. A cidade pode ser curtida em todas as estações do ano, faça frio ou calor. Dois pórticos monumentais encarregam-se de dar as boas-vindas a quem chega à estrada que, no verão, fica coalhada de hortênsias de todas as cores. De fato, essa parte da Serra Gaúcha é mesmo conhecida como Região das Hortênsias, e dela faz parte a cidade vizinha, Canela. À medida em que o centro se aproxima, a impressão é a de estar no interior da Suíça ou da Alemanha. Na verdade, Gramado e seus 35 mil habitantes ficam a menos de 120km de Porto Alegre, sendo hoje o principal destino turístico do Rio Grande do Sul e um dos cinco maiores do Brasil. As construções em estilo enxaimel, os jardins bem cuidados, a limpeza das ruas e uma delicadeza rara em cidades brasileiras atraem todos os anos 6 milhões de turistas, segundo dados da Prefeitura.

Há quem diga que Gramado, com sua ordem e sua arquitetura típica, é quase um grande parque temático. É muito mais do que isso. Na verdade, a história da cidade começou a ser escrita em 1873, quando era um pouso de tropeiros, que descansavam da lida com o gado numa grande extensão de relva verdinha que havia naqueles campos de cima da serra. Aos poucos, formou-se uma pequena vila. Oficialmente, os primeiros habitantes fixos da atual Gramado foram os portugueses José Manuel Correa e Tristão de Oliveira. Poucos anos depois, começaram a chegar as primeiras famílias de colonos alemães e italianos, que deram ao antigo pouso de tropeiros o jeitão alpino que ostenta até hoje.

Cascata do Caracol, no parque estadual homônimo, em Canela

Não por acaso, uma das marcas registradas da gastronomia local é a sequência de fondues, com variações que muitas vezes nada lembram as origens do prato, nos Alpes da Suíça. Entre restaurantes e bares, a cidade conta com mais de uma centena de lugares. O número de hotéis e pousadas passa de 150, e de lojas, mais de mil. As principais galerias e butiques ficam ao longo da Avenida Borges de Medeiros, no centro. Há também as irresistíveis casas de chocolate. A propósito, o grande point de turistas e nativos é a Casa da Velha Bruxa, quase ao lado da famosa Rua Coberta. Consiga uma mesinha na calçada e peça um cascão de chocolate, com cobertura.

Além de comer, passear é outro verbo muito conjugado na região. Há parques oníricos, como o do Lago Negro, em cujas margens vicejam pinheiros trazidos da Floresta Negra, na Alemanha. E o deslumbrante Vale do Quilombo, uma grande área de vegetação nativa, que pode ser observada de um mirante na Avenida das Hortências. Já na Aldeia do Papai Noel é Natal em qualquer época do ano. Até os marmanjos se derretem quando lá encontram o Bom Velhinho em seu trono, na fábrica de brinquedos. Outro programa para toda a família é o Mini Mundo, uma fantástica cidade em miniatura, com réplicas de famosas construções europeias e brasileiras, uma rede ferroviária e até um aeroporto, em escala 24 vezes menor que a realidade.

45º FESTIVAL DE GRAMADO

// O evento será realizado entre 17 e 26 de agosto, com atividades no Palácio dos Festivais e também em diversos pontos da cidade. Confira os destaques:

Competição Nacional

  • A Fera na Selva, de Paulo Betti, Eliane Giardini e Lauro Escorel
  • As Duas Irenes, de Fábio Meira
  • Bio, de Carlos Gerbase
  • Como Nossos Pais, de Laís Bodanzky
  • O Matador, de Marcelo Galvão
  • Não Devore Meu Coração!, de Felipe Bragança
  • Pela Janela, de Caroline Leone

Homenageados

Dira Paes

Com 33 anos de carreira e mais de 40 filmes no currículo, ela receberá o troféu Oscarito, dedicado a grandes atores da cinematografia brasileira.

Antônio Pitanga

Presença constante no festival, o ator receberá o Troféu Cidade de Gramado, em homenagem à sua relação próxima com o evento e com a cidade.

Um dos pontos altos da estação de inverno é o Festival de Cinema, entre 17 e 26 de agosto (veja box). É o maior evento brasileiro do gênero, em que as celebridades dão as caras e os paparazzi se esbaldam. Já no verão, suas ruas fervilham durante o Natal Luz. O evento, entre 26 de outubro e 14 de janeiro, inclui desfiles de carros alegóricos, concertos musicais e shows de tenores no Lago Joaquina Rita Bier.

Mesmo com tudo isso para fazer em Gramado, vale a pena visitar sua vizinha Canela, a menos de 10km hora dali. Na bucólica cidade, com 42 mil habitantes e cerca 2,5 milhões de turistas anuais, a grande atração é a natureza. Não importa a direção que se tome, o visitante terminará em espetaculares cartões-postais, com florestas, rios, cascatas, morros e vales. Como o Parque do Caracol, o mais visitado da cidade, com 25 hectares de extensão e uma famosa cascata de 131m de altura. Aproveite o embalo e vá curtir os 840m do bondinho aéreo, com vista da cachoeira e do belo Vale da Lageana.

Entre um lugar e outro, uma das primeiras residências da cidade chamará a sua atenção. É o Castelinho Caracol, antiga casa da família alemã Franzen, que hoje é um museu, com móveis e utensílios originais, e casa de chá — serve um inesquecível apfelstrudel (torta de maçã) com natas. Vale também passar pelo Parque das Sequoias, com espécies de árvores dos cinco continentes, ou contemplar as vertiginosas paredes de um cânion no Parque da Ferradura.

A dica para quem está com crianças é a Terra Mágica Florybal, parque com 67 mil m2 com esculturas de seres místicos e muito chocolate à venda. Se busca mais adrenalina, vá andar de trenó no Alpen Park, primeiro do gênero no Brasil. São 900m de descida livre pela montanha em uma sucessão de curvas inesperadas. O local ainda tem outras atrações radicais, como o bungee trampolim Super Solto, a montanha-russa Alpen Blizzard e uma tirolesa a 50 metros de altura.

Ah, você quer neve de verdade caindo do céu? Lamentavelmente, raramente ela dá o ar frio de sua graça. Em compensação, é certo que as temperaturas, neste inverno, descerão abaixo de zero algumas vezes — a mínima histórica por ali chegou a -6,4oC. E pode apostar que, até outubro, você poderá encarar geadas, nevoeiros e até uma chuvinha. Todo ano é assim — felizmente.

voltar-para-o-sumario