Aventura entre rios e igarapés

FENÔMENO GEOGRÁFICO RARO NO MUNDO, O DELTA DO PARNAÍBA IMPRESSIONA COM SUAS BELAS PAISAGENS E SEU RICO ECOSSISTEMA, ATRAINDO MILHARES DE TURISTAS AO PIAUÍ, ESTADO QUE ENCANTA OS VISITANTES COM SEU CHARMOSO LITORAL

POR BRUNO SEGADILHA
FOTOS GUI GOMES

Delta. Na geografia, trecho de um rio que desemboca em vários canais, lembrando a letra do alfabeto grego ou o formato de uma mão aberta. No vocabulário de quem conhece de perto esse tipo de formação, um espetáculo natural inesquecível, cuja grandiosidade é impossível de ser descrita nas salas de aula. Um fenômeno raro que faz do Delta do Parnaíba, localizado entre os estados do Piauí e do Maranhão, um dos destinos mais especiais do Brasil. Todos os anos atrai milhares de turistas até Parnaíba, cidade piauiense que é a porta de entrada desse cartão–postal e que recebe voos da Azul. É ali que o Rio Parnaíba, que nasce na Chapada das Mangabeiras, no Sul do estado, começa a se ramificar em cinco diferentes fozes para desembocar no Oceano Atlântico. Conhecidos como Baía do Igaraçu, Baía das Canárias, Baía do Caju, Baía da Melancieira e Baía de Tutoia, esses “braços” formam um arquipélago com 2.700 quilômetros quadrados de área e mais de 70 ilhas. É um santuário ecológico formado por dunas, mangues e praias que abrigam fauna e flora riquíssimas. Mas as belezas do Piauí não se restringem somente a essa região. A alguns quilômetros dali suas praias com areias brancas e águas mornas e cristalinas fazem do seu litoral – o menor do Brasil, com apenas 66 quilômetros de extensão – um destino ideal para quem quer se desligar do mundo e aproveitar a brisa fresca do Nordeste.

LABIRINTO DE EMOÇÕES

Uma grande trama de rios, dunas e ilhas. Esta é a melhor maneira de definir a geografia das cinco fozes que formam o Delta do Parnaíba e que correm para o Oceano Atlântico desenhando trajetos nos territórios do Piauí e do Maranhão. A Baía do Igaraçu é o único braço que fica inteiramente no território piauiense. Ao Leste, a Baía das Canárias fica na divisa entre o Piauí e o Maranhão e as demais baías, Caju, Melancieira e Tutoia, localizam-se em terras maranhenses.

O passeio pelo arquipélago começa no Porto dos Tatus, localizado na cidade de Ilha Grande, a cerca de 10 quilômetros de Parnaíba. De lá, os barcos partem para destinos diferentes, percorrendo as ramificações do Rio Parnaíba. Navegar por ali não é para iniciantes. É preciso conhecer muito bem cada caminho para não se perder nos vários igarapés, canais estreitos ou braços naturais dos rios.

A vegetação é formada por um impressionante mangue vermelho e por carnaúbas, árvores que já foram a base econômica da região devido à versatilidade. Sua palha, por exemplo, é usada na construção e reveste o telhado de vários bares e pousadas locais e a cera extraída de suas folhas é um dos principais componentes dos discos de vinil.

Quando o condutor desliga o motor da lancha, o silêncio toma conta do lugar. Ouvem-se apenas o barulho de macacos pulando entre galhos de árvores e o canto das aves que habitam os mangues. Se der sorte, você poderá observar os jacarés que colocam os focinhos e os olhos para fora da água para aproveitar o sol. Sim, os passeios de barco pelo Delta fazem o visitante se sentir em um daqueles filmes de ação na floresta.

A REVOADA DOS GUARÁS

Todos os dias, ao entardecer, o céu da Baía do Caju ganha pequenas nuvens “de fogo” que se misturam ao tom rosado do pôr do sol. O espetáculo de cores é resultado da revoada dos guarás, pássaros de bicos longos e penas vermelhas que vivem nos mangues. Ao cair da noite, eles procuram abrigo em uma pequena ilha batizada, é claro, de Ilha dos Guarás. O tom rubro de suas penas vem da cantaxantina, substância derivada do caroteno e encontrada em abundância na casca do caranguejo, principal alimento dessas aves. Aos poucos, os diferentes bandos vão chegando e se ajeitando nas copas das árvores, dando a impressão de que elas estão cheias de flores.

O pássaro vermelho, ameaçado de extinção, está presente na América do Sul, principalmente na costa Norte, desde o Equador até o Ceará. Pode ser encontrado também em grupos isolados nos mangues de São Paulo, Paraná, Santa Catarina e Bahia. Contudo, a região do Delta do Parnaíba é a que concentra o maior número de guarás no território brasileiro. Portanto, não há lugar melhor para se observar essa ave fascinante.

A CAMINHO DO MAR

A brincadeira é inevitável: “Já foi aos Lençóis Maranhenses? Se não, vai conhecer agora”, ri o guia José Roberto Piovan, o Beto. Ele se refere às dunas e aos pequenos lagos que se formam na Baía das Canárias em seu encontro com o Oceano Atlântico. A piada tem seu porquê: essa área do braço do Rio Parnaíba fica no estado do Maranhão e, assim como os famosos Lençóis Maranhenses, também é formado durante o período de chuvas, principalmente entre abril e maio.

A beleza única da Baía das Canárias, no entanto, dispensa qualquer comparação. De um lado, o visitante pode se divertir entre as montanhas de areias branquinhas e os lagos de água doce. Do outro, pode dar um mergulho no mar e passear pela praia com total tranquilidade. Por ser um lugar de difícil acesso, a praia está quase sempre vazia, mantendo seu aspecto intocado.

A alguns quilômetros dali, na Baía do Caju, as dunas do Morro do Meio impressionam pela grandiosidade. De cima delas é possível avistar o encontro do Rio Parnaíba com o Oceano Atlântico. A refrescante brisa marítima, cujo som se destaca no silêncio absoluto do lugar, é um convite a alguns minutos de ócio e à contemplação do cenário paradisíaco. Animados com as descidas íngremes, os mais aventureiros costumam correr duna abaixo e se jogar nas águas do mar.

LITORAL DOS ENCANTOS

Águas mornas, coqueiros e areia branquinha. Não, não estamos falando de litorais badalados como os de Pernambuco ou da Bahia, mas do Piauí. A pequena faixa litorânea, de apenas 66 quilômetros, foi cedida pelo Ceará, em 1880, seguindo um decreto assinado por Dom Pedro II que ordenava uma troca de terras entre os dois estados. O território piauiense ganhava, assim, uma área com piscinas naturais e brisa aprazível, com ares paradisíacos. Grande parte das praias está concentrada no município de Luís Correia, que ocupa mais de 70% da faixa litorânea com seus 46 quilômetros de orla. Há opções para todos os gostos, dos fãs de esportes radicais às famílias que procuram momentos de descanso com as crianças.

Se você busca badalação, a dica é conhecer a Praia do Coqueiro, com sua grande oferta de bares, pousadas e restaurantes. As piscinas naturais formadas na maré baixa tornam o mar ideal para o banho e, em uma área afastada, turistas se divertem em passeios de quadriciclos. A Praia de Macapá é mais frequentada por surfistas devido às ondas, consideradas perfeitas para o esporte. Nos momentos em que as águas estão mais baixas, é possível ver cavalos-marinhos. Já a Praia de Barra Grande é a queridinha dos fãs do kitesurfe: eles a consideram um dos melhores lugares do Brasil para a prática do esporte.


A Azul leva você até Parnaíba com voos semanais de Teresina e Viracopos (Campinas).
Mais informações:
4003 1118 / voeazul.com.br

ONDE FICAR

  • Casa de Santo Antônio

Construída em um antigo casarão de Parnaíba, tem 22 suítes decoradas em estilo colonial. Todas têm detalhes que remetem ao século 19, época da inauguração do prédio histórico. Os hóspedes são mimados com toalhas aromatizadas, café passado na hora e docinhos nos quartos à noite. Diárias a partir de R$ 306.
R. Antônio Dumont, 988, Parnaíba  //  86 3322 1900
mvchoteisdecharme.com.br

a

a

  • Pousada BGK

Tem 22 acomodações entre casas, chalés e bangalôs. Erguida em frente à Praia de Barra Grande, um dos lugares favoritos dos praticantes de kitesurfe, conta com instrutores para os amadores que quiserem se aventurar no esporte. Diárias a partir de R$ 350.
R. Pontal da Barra, 205, Barra Grande  //  86 3369 8019
bgk.com.br

  • Pousada Vila Itaqui

Seus dez luxuosos bangalôs ficam em frente à Praia do Itaqui e têm decoração rústica, lembrando uma cabana à beira-mar. Destaque para o ótimo restaurante, que, além de peixes e frutos do mar, serve excelentes opções de carnes e massas. As pizzas são outra boa surpresa com sua massa fininha e crocante. Diárias a partir de R$ 335.
Praia do Itaqui, Luís Correia  //  86 98825 2010
vilaitaqui.com.br

ONDE COMER

  • Casa do Caboclo

Localizada na Ilha das Canárias, na Baía das Canárias, a pousada e restaurante serve ótimas opções de peixes, crustáceos e mariscos frescos. Não deixe de provar a moqueca de caranguejo, servida com arroz, pirão e purê de batata (foto). Se depois da comilança bater um cansaço, espaços com redes e almofadas garantem o descanso com vista do Rio Paranaíba.
Ilha das Canárias, Delta do Parnaíba  //  86 99426 1561
casadecaboclo.com

a

PASSEIOS

  • Natur Turismo

A agência oferece diversas opções de passeio pelo Delta do Parnaíba. Peça para fazer um roteiro acompanhado por Beto, profissional altamente preparado que conhece cada detalhe do lugar. A Natur também organiza roteiros para explorar as praias do litoral piauiense.
86 3322 8174
naturturismo.com.br/pb

MANUAL DE SOBREVIVÊNCIA

 1  Se você tem alergia ou se incomoda com mosquitos e pernilongos, vale a pena investir em um bom repelente, já que eles são companhias constantes nos passeios de barco ou mesmo em Parnaíba.

 2  Não se engane com a brisa fresca: ela alivia a sensação de calor, mas não protege contra o sol forte do Nordeste. Use e abuse do protetor solar.

voltar-para-o-sumario